11 músicas atuais e empoderadoras de artistas brasileiras (pt. II)

No início de janeiro, a Francamente, querida! publicou uma matéria sobre 12 canções de cunho feminista, de artistas nacionais e contemporâneas. Esta matéria é uma continuação da primeira, apresentando a você mais 11 músicas atuais e empoderadoras – tanto para as horas de choro quanto para as de alegria. Tem desde o rock’n’roll romântico de Pitty ao funk sarcástico de MC Carol. Confere aí embaixo!

 

1. MULHER DO FIM DO MUNDO – ELZA SOARES

Me deixem cantar até o fim“, declama uma Elza sempre sofrida, dentre súplicas e gritos de resistência. A cantora icônica performa como artista musical desde a década de 50, tendo atingindo, nos últimos tempos, um público muito jovem (por sua incrível capacidade de renovação e talento aparentemente eterno). Em Mulher do Fim do Mundo, Elza canta uma constatação de suas oito décadas de vida, em uma (também) ode sutil ao Carnaval:

Na avenida, deixei lá
A pele preta e a minha voz
Na avenida, deixei lá
A minha fala, minha opinião

A minha casa, minha solidão
Joguei do alto do terceiro andar
Quebrei a cara e me livrei do resto dessa vida
Na avenida, dura até o fim“.

(Fonte: YouTube / Elza Soares)

 

2. PROPORCIONAL – TULIPA RUIZ

Nesta divertida música de Tulipa Ruiz, a artista, pertencente à chamada Nova MPB, compara diferentes tipos de corpos, valorizando-os da maneira como merecem: todos como únicos e perfeitos; cada um à sua forma.

(Fonte: YouTube / Tulipa Ruiz)

 

3. DESCONSTRUINDO AMÉLIA – PITTY

Desconstruindo Amélia, como o próprio título da canção entrega, conta a história de desconstrução pessoal de uma mulher, mãe de família e que fora educada exclusivamente para servir. “Disfarça e segue em frente / Todo dia até cansar / E eis que de repente ela resolve então mudar / Vira a mesa, assume o jogo“. Pitty é conhecida por sua forte personalidade e engajamento em pautas feministas, principalmente as que dizem respeito à força da mulher – algo que fica bem claro nesta música:

(Fonte: YouTube / Deckdisc)

 

4. AVISA QUE EU CHEGUEI – NAIARA AZEVEDO E IVETE SANGALO

Neste dueto de Naiara Azevedo com a cantora de axé Ivete Sangalo, temos a boa e velha história de volta por cima da mocinha – após passar por um relacionamento muito problemático com um homem dispensável. O mais legal aqui é perceber, a partir da letra da música, que duas vozes femininas se apoiam: “Eu não tô sozinha“. Uma junção interessante!

(Fonte: YouTube / Naiara Azevedo)

 

5. PIMENTA COM SAL – GABY AMARANTOS E FERNANDA TAKAI

Gaby Amarantos e a vocalista do Pato Fu, Fernanda Takai, se uniram para enaltecer a diferença entre suas cores e formas, e contra possíveis polêmicas vindas da proximidade entre as duas: uma “preta redonda” e uma “branca delgada”. Olha só!

(Fonte: YouTube / Gaby Amarantos Oficial)

 

6. ALL AROUND YOU – TIÊ & DAVID BYRNE

Em All Around You, Tiê canta sobre a perda de sua privacidade – muito provavelmente, provocada pela fama e por possíveis stalkers. “Na minha vida / Catalogada / Podem até me dar um search e coisa e tal / Mas ninguém sabe do que eu sinto“. Como uma cantora mulher, a pressão e os julgamentos recaem de forma muito mais intensa sobre ela. Dá uma ouvida nesta música lotada de riqueza melódica:

(Fonte: YouTube / tiemusica)

 

7. NEGRAS EM MARCHA – LUANA HANSEN E LECI BRANDÃO

A Mulher Negra vai marchar contra os Racistas / Pra acabar de vez com a história dos Machistas / Pelo fim do Genocídio da Juventude Negra / Acontece todo dia não finja que não veja / Onde a parcela mais oprimida e explorada da Nação / Luta diariamente contra a Criminalização“. Nem precisa falar mais nada, ?! Com o plus da participação de Leci Brandão:

(Fonte: YouTube / Luana Hansen Oficial)

 

8. NA PELE – ELZA SOARES E PITTY

E, aqui, temos mais Elza e Pitty pra você. Novamente, Elza canta sobre sua vida, mas, desta vez, menos sobre sua dor e mais sobre sua longa e rica experiência adquirida ao longo dos anos. Enquanto isso, Pitty a acompanha com seu timbre mais suave, mas não menos potente.

(Fonte: YouTube / Deckdisc)

 

9. PROPAGANDA ENGANOSA – MC CAROL

MC Carol é famosa por ser desbocada e compor suas músicas em cima de situações cotidianas. Em Propaganda Enganosa, apenas o título carrega certo eufemismo, frente ao fato da funkeira não poupar explicitação nas palavras. Para aqueles que não são fãs de funk regado de palavrões, recomendamos não ouvir a canção. No entanto, ficarão sem conhecer mais do trabalho dessa jovem negra, gorda e periférica, sem papas na língua e muito empoderada. Saca só!

(Fonte: YouTube / MC Carol Oficial)

 

10. MENINA PRETINHA – MC SOFFIA

MC Soffia é uma rapper de apenas 14 anos de idade que, diferentemente de uma legião de crianças adultizadas e hiperssexualizadas pela mídia, construiu a bela imagem de uma pequena “ativista pelos Direitos Humanos”. Ao cantar suas músicas de conteúdo aprofundado, a menina empodera a si própria e outras adolescentes de sua faixa etária: “Menina Pretinha, exótica não é linda / Você não é bonitinha / Você é uma rainha“!

(Fonte: YouTube / MC Soffia)

 

11. É O PODER – KAROL CONKA

É o poder, aceita porque dói menos / De longe falam alto, mas de perto tão pequenos / Se afogam no próprio veneno, tão ingênuos / Se a carapuça serve falo mesmo / E eu cobro quem me deve“. Aqui, a rapper de cabelo cor-de-rosa canta para aqueles que a subestimaram por ser quem é: uma mulher negra. Conka não tem medo algum de se impor diante de injustiças que a atingem diretamente, como a própria questão do racismo e da misoginia. É o Poder é uma de suas canções mais marcantes e inspiradoras. Que hino!

(Fonte: YouTube / Sko* Music)

 

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta