Mataindios: colonização e tradição andina se encontram em ritual de luto

Uma das principais qualidades da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo é aproximar o público de produções que dificilmente chegariam ao circuito comercial do país. Neste ano, Mataindios, eleito melhor filme peruano do Festival de Lima 2018, se encaixa nessa situação.

O longa, dirigido por Oscar Sánchez Saldaña e Robert Julca Motta, é dividido em capítulos e acompanha o ritual coletivo de luto de uma comunidade andina.

‘Mataindios’/ Divulgação

Ali, entre as montanhas da cordilheira, os campesinos se preparam para uma missa em homenagem ao santo patrono do povoado, na esperança de que ele os ajude a deixar de sofrer o luto pela perda de familiares. Assim, tempo e esforços são investidos coletivamente em prol de um mesmo objetivo.

Dos dias de preparativos, repletos de cantos e atividades conjuntas, até a data da cerimônia, celebrada por um padre branco, figura de autoridade, a tradição local e o cristianismo católico da colonização se misturam.

Certamente nunca foi a intenção dos realizadores oferecer ao público um filme comercial. Apesar de tratarem de um assunto universal como o luto, Saldaña e Motta preferem valorizar as contradições e características do processo ritualístico, colocando o espectador numa posição passiva de contemplação de algo bem específico.

Ao final, as crianças da comunidade aparecem em tela no papel de questionadoras do simbolismo divino do santo católico. Para elas, o patrono ainda não significa nada;  embora ele já tenha sido absorvido pelas crenças dos mais velhos.

Filmado a seu tempo, com poucos diálogos e em tons carregados, Mataindios demonstra que sua maior preocupação é o registro – neste caso, ficcional. Trata-se, então, de uma obra bastante íntima e regional.

*Este texto faz parte da cobertura da 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Saiba sobre as sessões do filme aqui.

Leia também: 7 filmes latino-americanos para ver na 43ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo

Ficha Técnica: 

Direção: Oscar Sánchez Saldaña e Robert Julca Motta

Duração: 1h16

País: Peru

Ano: 2018

Elenco: Carlos Solano, Nataly Aures, Glicerio Reynoso, José Vivas, Faustina Sánchez

Gênero: Drama

Distribuição: sem distribuidora no Brasil

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta